quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

O Formicídio

Noite passada teve assassinato em massa. Hoje de manhã, assim que cheguei ao trabalho, fui ao banheiro lavar o rosto e me deparei com dezenas de corpos espalhados pela parede. Empilhados, encolhidos e mutilados em diversos pontos da extensão que percorre o azulejo cinza, responsável por demarcar o meio da parede. Me pergunto até agora quem foi o assassino, quem foi o desalmado portador do inseticida letal. Quem violou a paz e a harmonia organizada da sociedade de formigas do banheiro do segundo andar da empresa. É provável que eu nunca saiba, pois, obviamente, um "formicídio" nunca será digno de investigações conduzidas por detetives, peritos e forenses. Os corpos não serão reconhecidos pelas famílias e os indigentes não serão nem ao menos enterrados como tais. Os minúsculos corpos jazerão exatamente no mesmo lugar onde suas vidas lhes foram arrancadas. Até que a senhora responsável pela limpeza lave o banheiro e apague das paredes todos os indícios e vítimas do cruel assassinato em massa da noite de terça-feira.

Sei que é meio difícil de ver, pois as fotos são de celular. Mas todos esses pontinhos são formigas mortas.

Aquilo que não vemos, ouvimos ou sentimos o cheiro, não nos atinge. Formigas não gritam de dor e, quando morrem, não ficam estateladas no chão abatidas e ensanguentadas. Assim como seu estágio de putrefação post mortem, não exala nenhum aroma fétido. As formigas vão continuar perecendo a sua volta e sua morte sempre será ignorada. É natural. Assim como é natural o fato de que haverá ocasiões em que cães, cavalos e elefantes morrerão em seu entorno e, essas sim, não passarão despercebidas. Os berros de agonia, o sangue esvaindo-se e o fedor da podridão, serão quase insuportaveis, uma afronta a seus sentidos. 

Ps': É claro, grande parte disso tudo é sentido figurado. O gostoso é a interpretação individual.
Ps": Mas o formicídio foi real, eu estive andando entre os cadáveres.

8 comentários:

Lobo disse...

Eu não só já queimei miojo e brigadeiro, como já deixei cair o pacote de tempero na água e esqueci, e taquei fogo na cozinha tentando fritar um ovo.

I win! XD

Mas sobre o formicídio, tem umas formigas que fedem MUITO. Sei lá, aqui em casa convivemos bem com elas, mas em alguns lugares podem ser bastante incômodas mesmo...

Incrivelmente não consigo sentir pena de nenhum inseto... principalmente mosquitos...

William Garibaldi disse...

Vou montar um poema deste post seu e te dar...
pra você ver como é você o Poeta!

Um feiticeiro das palavras!

Abraço.
( E Não some não? )

Mari Amorim disse...

Uma pena! :(

Já tentei não matar baratas. Mas elas insistem em ficar no ralo do banheiro. Até tentei uma vez levar uma baratinha ai para outro lugar, detalhe: com uma pá. Mas ela pulou e continuou no ralo. Era ela ou eu. Tive que assassiná-la...

É.

A gente comete esses erros às vezes.

Um beijo Dr. House! Inté!

Dan disse...

as formigas na minha casa comem tudo! Se eu abro um pacote de bolacha e nao como todo, elas comem.
Se deixo um copo de coca do meu lado e demoro 2 min, tem formiga quase que instantaneamente.
Até no box do banheiro.
Aí, eu me rendo aos venenos.
Sem dó nem piedade.
:(

in.Constante disse...

Matar formigas é algo que faço com certo remorso. Mas faço...

Sei lá. Atribuo o surgimento delas lá em casa ao meu jeito irresponsável de ser. Sou eu que derrubo açúcar na mesa e não limpo imediatamente. Sou eu quem deixa o copo com algum líquido doce na pia para só lavar no dia seguinte.

Elas, obviamente, aparecem.  E eu, irresponsável, as aniquilo.

Sério. Às vezes me dói mesmo. Barata não. Como diz uma amiga: "matem essas pré-históricas!".

Mas as formigas são tão organizadas, tão certinhas... e pagam pelos meus erros.

E não consigo interpretar de uma outra forma. Já tentei.

E sobre seu comentário lá, alguns interesses para mim não são válidos (como Paulo Coelho... beira o imperdoável kkk). Outros são apenas desconhecidos. Não tenho a mínima ideia da diferença entre heavy metal e punk rock, pra ser sincero, e por isto usei-os como exemplo... nada pessoal hahahaha.

E por que dizer que vc não tem chance? Vai que temos outros interesses em comum? Ou vai que eu admiro seus outros interesses (afinal já admiro seus textos...)? Ou vai que eu aceito seu conselho e relaxo e deixo-me surpreender? Acho que o fato de não ter chance está mais relacionada ao fato de você estar em Barretos e eu no Rio rs.

Brincadeirinha... Será? ;)

William Garibaldi disse...

Warehouser.. a poesia está pronta..
é o texto tudo.. vc escreve feito Drummond! Crônica poética!
Que riqueza!

Abraço!

Some não!

Autor disse...

Tô precisando de um formicídio em casa, porque elas estão me IRRITANDO, hehehe
Mas viajei nas suas metáforas. Ou serão nas minhas que deduzi?
Bjos

Guy Franco disse...

Quem comete esse tipo de assassinato é um inseticida?