quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Não Opcional

Desde pequenos nossos pais nos cobram respeito. Dizem que devemos respeitá-los, respeitar nossos avós e nossos professores. Outros são mais genéricos, nos dizendo para respeitar todos os mais velhos.

Esta última, a mais genérica, sempre me causou certa dúvida quando era criança. O quão mais velho exatamente deveria ser alguem para eu ter de respeitar? Para mim, não seria justo se o termo "mais velho" englobasse cada individuo que fosse, poucos anos, meses, dias ou horas mais velho que eu. Isso me causava certa revolta, então decidi que a ordem de respeitar os mais velhos só se encaixaria àqueles que, aparentemente, tinham mais de 40 anos (isso apenas para os demais, pais e professores eram exceções a minha "regra").

Apesar de ter encontrado uma solução para o dilema de "a quem respeitar", ainda havia algo que me causava dúvidas. Eu ainda não conseguia entender o que é respeito, o que é respeitar, como diferenciar minha maneira de agir com aqueles que devo, daqueles que não preciso respeitar? Eu na maioria das vezes confundia respeito com educação, e me doía ter que ser educado com quem eu julgava não merecer.

Não obtive as respostas para o que viria a ser respeito por muito tempo. Portanto, vivi a infância toda sem saber se estava ou não respeitando quem deveria. Quando alguém me repreendia, cobrando respeito, eu me perguntava onde estava errando.
Apenas anos depois, quando eu já era adolescente, foi que consegui, por conta própria, sanar minhas dúvidas. Respeitar passara então, para mim, a ser sinônimo de aceitar, compreender, valorizar e não interferir.

Meu tweet, quase "monossilábico", foi o seguinte:

Respeito não é uma opção.

Essa sentença é resultado de tudo que, para mim, o respeito implica. Se baseia no que ele pretende, a quem alcança, onde se encaixa e como é extremamente necessário na maioria das vezes. Tento fazer o melhor possível. Respeito as pessoas, o que elas são, fazem, têm, pensam e idealizam. Concordando ou não com o que pra elas é fato, da maneira mais empática e imparcial possível. Faço o possível para agir da mesma forma, perante todas as coisas.

Para mim, o respeito não é uma opção, pois todas as opções têm de ser respeitadas.

2 comentários:

B. disse...

estou embriagada aqui com teu texto.

nem vou comentar, pois me faltam palavras.

Lua Nua disse...

Acredito que respeito não é opção, mas a única opção para quem quer viver em harmonia.

Tipo assim: Se vc me respeita eu reajo da mesma forma com vc; se vc não me respeita, garanto que vou buscar caminhos para me fazer respeitar pois só assim vou respeitar vc também. Sacou? rsrs

Tô gostando dos seus pitacos, me fazem ler outras coisas, outras formas de verem as mesmas coisas e isso é bom, me faz prensar.

Bjs